Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dia 06 - Caminho Francês de Santiago

por daraopedal, em 27.09.10

Hoje levantei-me às 6h30 para ver se andávamos o mais possível pela fresca. Mesmo assim acabámos por ser as últimas bicicletas a sair. A subida inicial a partir da aldeia a frio era penosa e preferi empurrá-la. O trilho pelos Montes de Oca é que foi fabuloso.

Uma floresta enorme de árvores autóctones (carvalhos) e mais adiante uma zona de pinhal de um lado e carvalhal do outro, com um trilho muito largo (tipo corta fogo) a separá-los.

Depois da subida inicial, o caminho tornou-se muito rolante e fizemos uma boa média. Chegámos a S. Juan de Ortega, uma pequena aldeia com um mosteiro bastante grande e muito bonito. Visitámo-lo (gostei do pormenor de ter uma cripta) e carimbámos num café ao lado.

Em seguida queríamos ir para Burgos, mas havia duas alternativas: uma ao longo da EN 120, o que não me parecia muito agradável, e outra que correspondia ao caminho principal.

Claro que optámos por esta última. Passámos por Atapuerca, uma localidade onde existem vestígios arqueológico pre-históricos e que é património da humanidade.

Logo a seguir entrámos num trilho a subir bastante e com um piso muito mau: um misto de terra vermelha e pedra calcária que me fez lembrar o barrocal algarvio. Do lado esquerdo, o arame farpado e placas indicavam que era território militar. Depois de chegar ao alto onde havia uma cruz e uma placa com uma citação, iniciámos a descida.

Já se via Burgos bem perto e parecia enorme. Depois de passar por cima da auto-estrada, nova dúvida: havia setas para um lado e para outro. No livro dizia que apenas uma das opções era o caminho, pelo que contornámos o aeroporto em direcção ao centro. Ainda tivemos de atravessar uma via rápida e meter-nos por zonas industriais e zonas de apartamentos. Depois de uma rotunda com uma fonte de Santiago perdemos o trilho e tivemos de perguntar por onde seguir. Apanhámos uma ciclovia que fomos seguindo até conseguir dar novamente com o trilho.

O livro falava de uma ciclovia junto ao rio, mas não conseguimos dar com ela e por isso a entrada em Burgos foi deprimente. Junto à catedral tirámos as fotos da praxe.

O português estava por lá e voltámos a conversar um pouco. Carimbámos na catedral e fomos lanchar/almoçar junto ao rio, frente à porta de entrada da cidade antiga para a catedral.

Para sair de Burgos foi mais fácil.

Ainda parámos num supermercado para abastecer para o dia seguinte e continuámos seguindo pela universidade e passando sobre a auto-estrada. Atravessámos ainda uma pequena aldeia - Rabi de las calzadas - muito engraçada, onde carimbámos.

Parámos em Hornillo del Camino para almoçar. Na etapa a partir de Burgos sentia-me bastante bem e foi sempre a puxar e esticar sem grandes dores.

Os 11km até Hontanas, onde ficámos no albergue El Puntido, foram feitos sempre a abrir e soube-me muito bem.

Foram 74,93 km em 5h33min a pedalar, à média de 13,94km/h. Já vamos com 344km no total.

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:46



O relato das minhas aventuras pelos Caminhos de Santiago

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Setembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Contador