Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dia 12 - Caminho Francês de Santiago

por daraopedal, em 27.09.10

Hoje saímos mais tarde por preguiça minha. Achava que o dia ia ser mais leve e que não seria necessário levantar tão cedo. Enganei-me. Eram 8h30 quando nos pusemos à estrada, atravessando a pequena ponte pedestre sobre um afluente da barragem.

A partir daí enfiámo-nos outra vez nos bosques densos e escuros, espectaculares. Apanhámos bastantes subidas mas a inclinação da maioria era a meu gosto e aproveitei para esticar durante os primeiros 25 km. O número de peregrinos ao longo do trilho era enorme, perdi a conta às vezes que tive de dizer "Buen Camino", "Perdon!" e "Holá!".

Às vezes, quando o trilho era mesmo ao lado da estrada, optava pelo asfalto para evitar a multidão. Hoje o tempo estava a ameaçar chuva, estava óptimo para pedalar com uma temperatura amena.

Infelizmente a ameaça fez-se realidade e começou mesmo a chover. Choveu timidamente da parte da manhã e continuamente depois do meio-dia. Perante isto, pensámos que o melhor seria pedalar o máximo sem parar para almoçar, pois se parássemos e ficássemos com frio, seria muito difícil recomeçar. Assim fizemos!

Foi a cerca de 8 km depois de Palas de Rei, em Coto, que a chuva apareceu. Vestimos os impermeáveis e fomos seguindo. Como o trilho era quase semrpe debaixo de frondosos bosques, quase nem nos molhávamos.

Um pouco adiante, junto a uma zona industrial, encontrámos monólitos com nomes inscritos de pessoas que pertenciam à Ordem de Santiago. O trilho foi quase sempre um verdadeiro "rompe-pernas": subidas algo intensas e longas descidas, que passavam demasiado rapidamente, para novamente apanhar uma subida. Muito mau para as pernas... Começámos a sofrer... Eu especialmente devido às dores na zona pélvica, que começava a ficar massacrada.

Em Árzua, mal parámos para carimbar num quiosque do turismo. Da cidade apenas recordo a confusão do trânsito que nos dificultou a progressão.

A chuva instalou-se definitivamente e procurámos esticar a etapa até ficar no 1º albergue antes de Pedrouzo. Os marcos que assinalam os quilómetros até Santiago de Compostela iam desfilando à nossa frente: 50 km, 40 km, 30... e ficámos em Santa Irene, num pequeno albergue público, a cerca de 21 km de Santiago.

Depois de encostarmos as bicicletas e tomar banho, tivemos um novo problema que nunca antes tinha surgido: já passavam das 16h, estávamos sem almoçar e o restaurante mais próximo estava 1 km para trás... ah, claro, chovia copiosamente! Decidimos tentar enganar a fome e aguardar até mais tarde comendo apenas uma refeição que seria ao mesmo tempo almoço, jantar e ceia! Às 19h a chuva não parava, então não tivemos outra alternativa senão meter-nos à estrada em direcção ao restaurante. Fomos a pé, abrigado debaixo do meu outro impermeável, que era a única coisa seca e à prova de água que tínhamos. Depois de uma refeição num restaurante onde estava pendurado... o cachecol do Benfica, regressámos ao albergue, durante uma acalmia da chuva. Amanhã seria o grande dia, o culminar da viagem, da aventura. Estávamos impacientes, mas com muita vontade de regressar a casa também. Foram 70,84km, em 5h36min, à media de 12,96km/h

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36



O relato das minhas aventuras pelos Caminhos de Santiago

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Setembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Contador